quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Olhar de avó


Olhar de avó


E por que esse retorno aflito
de terra e lugar?

Não suporto essa agonia do presente.

Esse vazio, essa dor,
essa posse absoluta do efêmero.

Antes absoluto
esse desejo de raízes...
Estrada, carro de boi,
pés descalços,
vozes,
tardes.

Antes fora eu reencontrada
nesse olhar de avó
que é lembrança tão doce.

Nenhum comentário:

O dia se espraia sobre mim

O dia se espraia sobre mim, enquanto desejo somente a partilha do sensível. Não sei que ilhas tenha criado, pontes que recolho no espaço ...